Governo dá aval a jornada flexível para domésticos

O governo deu sinal verde para o Congresso flexibilizar a jornada de trabalho dos empregados domésticos. Patrões e trabalhadores poderão optar entre três novos períodos de trabalho, e não apenas pela jornada fixa de oito horas diárias e 44 horas semanais, como previa o texto aprovado. As alternativas propostas pelo senador Romero Jucá, relator da comissão que discute as novas regras, são: jornada de 12 horas diárias com 36 horas de descanso em regime de revezamento, ampliação do limite de horas extras diárias de duas para quatro e adoção de um banco de horas. (Mercado Bl)

Jornada dos domésticos deve ter três novas opções

Governo deu aval a banco de horas, a 4 horas extras e a turno de 12 horas Lei está sendo regulamentada no Congresso; Planalto é contra redução de alíquota do INSS

DE BRASÍLIA

O governo deu sinal verde para que os patrões e os empregados domésticos possam optar por três novas opções de horários de trabalho, e não apenas pela jornada fixa de 8 horas diárias e 44 horas semanais, como previa o texto aprovado em março.

O governo avisou aos congressistas que estão regulamentando a lei que não levantaria obstáculos a três alternativas: 1) jornada de 12 horas diárias com 36 horas de descanso em regime de revezamento; 2) ampliação do limite de horas extras diárias de duas para quatro; e 3) banco de horas.

Essa última opção permite que, na prática, os empregados domésticos trabalhem mais que as 12 horas diárias sem o pagamento de horas extras, desde que as horas trabalhadas além da jornada sejam compensadas com descanso em outros dias.

A proposta em discussão no Congresso vai criar pelo menos duas exceções à jornada máxima de 12 horas: para babás que viajam com os patrões e no caso em que crianças ou idosos que recebem os cuidados de domésticos estiverem doentes. A jornada extra poderá ser compensada no banco de horas.

As mudanças tinham sido propostas pelo senador Romero Jucá (PMDB-RR), relator da regulamentação da emenda no Congresso, mas somente ontem o governo apresentou formalmente ao Legislativo a sua posição.

Inicialmente, o Planalto cogitou enviar ao Congresso proposta ou medida provisória de sua autoria com a regulamentação. Para não criar mal-estar com o PMDB, seu principal aliado na Câmara e no Senado, optou por deixar as rédeas com o Congresso.

FGTS e INSS

No texto entregue ao relator, o governo diz que que não haverá espaço para “redução de direitos”.
O Planalto é contrário à diminuição da alíquota de 12% para a contribuição patronal ao INSS e da redução dos 40% como multa rescisória do FGTS para demissões sem justa causa. Jucá afirmou que pretende manter o pagamento da indenização para os trabalhadores, mas não necessariamente na multa.

Quanto ao INSS, o senador disse que ainda “está analisando” se vai manter os 12%. Sua ideia inicial era reduzir a parcela dos patrões a 8%.
O Executivo relutou em flexibilizar a emenda constitucional para não instituir uma espécie de subcategoria de empregado, segundo a Folha apurou. A presidente Dilma não quer percentuais diferentes para os trabalhadores.

“Nós apresentamos ao Congresso aquilo que apresentaríamos em projeto de lei. Não abrimos mão de manifestar a posição do governo”, disse a ministra Gleisi Hoffmann (Casa Civil).

Ficou a cargo do Congresso decidir outras questões ainda pendentes da regulamentação, como auxílio-creche. 

Clique aqui para ler a notícia no site do Senado Federal

© Copyright 2014 :: www.arealpires.com.br

NiteróiWebSites Soluções em criação de sites