Direito das gestantes nos planos de saúde

O nascimento de um filho causa uma revolução na vida da mulher. Desde a notícia da gravidez até o momento do parto, a mulher vivencia os 9 meses mais especiais da sua vida até então. Para que a mulher aproveite esses momentos mágicos sem maiores intercorrências ou dores de cabeça, o planejamento é fundamental. E em matéria de planejamento, questões burocráticas precisam ser resolvidas, como aquelas referentes ao plano de saúde.

As despesas com pré-natal e o parto são altas. A melhor situação é a contratação de um plano de saúde com uma certa antecedência da previsão do parto, considerando a possibilidade de exigência de carência de 300 dias para parto. Portanto, o ideal é a contratação com antecedência de 10 meses e, após a contratação, esperar 2 meses para engravidar.

Essa questão é de fundamental importância, pois em caso de gravidez com previsão de nascimento ainda dentro da carência, os planos de saúde somente serão obrigados a cobrir as despesas com o parto se este for realizado em situações de urgência e emergência. Caso contrário, essas despesas terão que ser arcadas particularmente.

Já com relação ao pré-natal, que já tem um plano de saúde com as carências devidamente cumpridas, não deve sofrer nenhum embaraço para a realização dos exames e consultas necessárias ao acompanhamento da gravidez, tudo às custas do plano de saúde. Atenção somente para os casos em que a contratação for recente, pois há carência para realização de alguns exames.

Uma outra questão também de igual relevância é a referente à equipe médica e hospital escolhidos para o acompanhamento da gravidez até a realização do parto. É necessário esclarecer que, não sendo caso de emergência e urgência, o plano de saúde somente estará obrigado a cobrir as despesas com credenciados. Portanto, a grávida deve checar se os médicos e maternidade / hospital fazem parte da rede credenciada. Contrário, terá que arcar com o custo de maneira particular ou fazer um up grade de plano, ressaltando-se o fato de que, nesta última hipótese, o plano de saúde poderá exigir o cumprimento de uma carência. Assim, é importante fazer as contas para saber se vale a pena ou não o up grade.

Finalmente, muito importante a futura mamãe não esquecer que, em 30 dias contados do nascimento, é preciso solicitar a inclusão como dependente no seu plano de saúde, sem a necessidade de cumprimento de carências. Após esses 30 dias, a empresa poderá exigir a carência.

Com as devidas cautelas e um boa dose de informação, os papais de plantão não terão aborrecimentos durante esse período tão importante na vida de todos.

 

© Copyright 2014 :: www.arealpires.com.br

NiteróiWebSites Soluções em criação de sites